blackblack

Só existem "vendedores de drogas, porque existem compradores de droga!!

Ciro virou CIRINA



Em entrevista hoje, domingo 13/01/19 ao JB, Ciro destila todo seu ódio ao PT. Não é nova essa postura de quem é simpatizante, ou filiado ao PDT. O ódio deles remonta de 89, quando LULA desbancou Brizola do segundo turno, com Collor. Ciro apenas reproduz esse ódio e vocifera contra LULA e o PT, por ter deixado de ir ao segundo turno com "O Bunda Suja". 

Mas, apesar disso dá uns pitacos na economia e se contradiz, pois o PDT está decidindo apoiar Rodrigo Maia, para a presidência da Câmara e, com isso, postura do "Bunda Suja", se afastando do bloco de esquerda. Aparece dando conselhos ao atual presidente e demonstra, claramente, que se for "convidado" vai aceitar participar.
Não é nova essa postura. No governo FHC fez a mesma coisa. Agora deita falação e rotula LULA e FHC como sociais democratas, colocando os dois "no mesmo barco".

Qual a intenção disso?
Quer se lançar como "a terceira via". NUNCA foi de esquerda. Apenas se aproveitou de nossas bandeiras e queria, por que queria, que LULA, abandonasse o PT e lhe apoiasse. Vai pegar carona no fracasso que se avizinha, do atual "Bunda Suja", e vem com esse discursinho de economês, tentando seduzir a classe "mérdia" e entrar no vácuo deixado pela direita, menos conservadora, que se dividiu nas últimas eleições (Alvaro Vale/Alckimin/ Meirelles) e nada conseguiu. Além disso, atacando o PT, procura angariar votos dos "antis", que nem sabem em quem votaram, e busca a turma que se desesperou e não votou e/ou não votou em ninguém.
É meramente eleitoral o seu discurso. Ataca "O Bunda Suja" mas também não desce do palanque, e destila o seu ódio. O mais engraçado é que afirmou que seria a última eleição que participaria, mas, pelo visto e lido, virá se apresentando como "uma opção". Nem a esquerda (NUNCA foi mesmo) e a extrema direita. 
Mas o mais triste é sua afirmação de que o PT apodreceu. Desconhece, por exemplo, a vitória retumbante do PT e de Haddad, no nordeste. Não só do PT, mas de quem o PT teve e deu apoio, incluindo, aí o Ceará, sua terra. Isso aliado a eleição da maior bancada da câmara dos deputados. 
Mas isso faz parte de sua estratégia. Atacando o PT, busca apoios da classe "mérdia" direitista "aconselhando" "O Bunda Suja", e com isso tentando angariar votos de seus eleitores. Está em campanha desde já. O apoio do PDT, seu partido atual(vejam abaixo a quantos pertenceu e constatem que seu viés ideológico é NENHUM) a candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) mostra bem a sua postura. Quer fugir de qualquer viés ideológico para se apresentar como "terceira via".
E, por isso o CIRINA. Quer, também, ocupar o espaço da Marina Silva, no seu vai e vem "ideológico" que, na verdade é oportunista e não leva a nada.
O bloco de esquerda deve ser formado e tem que caber ao PT o controle e o ditar normas desse bloco. Talvez seja importante buscar parte do PDT, para esse bloco e assim esvaziar o "novo" CIRINA. 
Lula foi bem feliz quando diz que Ciro é um bom político, mas não é um líder. Se perdeu na vida política, falou demais (que ia abandonar) e agora tenta aparecer como terceira via. Só falta ser enterrado, pois acaba de cometer suicídio político.
Ciro Gomes iniciou a carreira política no PDS (Partido Democrático Social), legenda sucessora da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido que dava sustentação à Ditadura Militar Brasileira. 

Em 1982, foi eleito deputado estadual. Um ano depois, trocou de legenda, passando para o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), sendo reeleito em 1986.

Em 1988 migrou para o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira), onde foi eleito prefeito de Fortaleza e governador do Ceará. Opondo-se à aproximação da legenda ao Partido da Frente Liberal (PFL), Ciro Gomes rompeu com o PSDB e se filiou ao recém-criado PPS (Partido Popular Socialista), em 1996.

Após sete anos, por discordar da oposição da legenda ao governo federal, passou para o PSB (Partido Socialista Brasileiro). Em 2013, saiu do partido em razão da candidatura de Eduardo Campos à Presidência da República em 2014. Ajudou, então, na fundação do Pros (Partido Republicano da Ordem Social). 

Em setembro de 2015, o ex-ministro decide deixar o Pros e se filiar ao PDT (Partido Democrático Trabalhista), numa clara manifestação de que a mudança se deu, entre outras razões, para concorrer à presidência em 2018.

Grupos da sociedade civil americana, denunciam politica de Bolsonaro!

Grupos da sociedade civil prometem oposição à “retórica odiosa, violência, intimidação e perseguição” pelo governo de Bolsonaro.

Resultado de imagem para bolsonaro fazendo arminha 

WASHINGTON, DC - Quarenta e seis grupos ambientais, organizações acadêmicas, organizações de direitos humanos, sindicatos trabalhistas, grupos religiosos e outras organizações da sociedade civil prometeram se opor a qualquer “retórica odiosa e atos de violência, intimidação ou perseguição” por parte do novo governo. de Jair Bolsonaro do Brasil, como eles proclamam em uma declaração aberta hoje .
 
Os grupos, que incluem a Associação Brasileira de Estudos, a Amazon Watch e a AFL-CIO, expressam preocupação com “posições do presidente eleito que representam uma séria ameaça à democracia, direitos humanos e meio ambiente”. ”E desejam reafirmar nosso apoio aos indivíduos e grupos corajosos no Brasil que se esforçam para defender direitos e liberdades constitucionalmente protegidos em um ambiente cada vez mais desafiador ”.
 
"A eleição do extremista de direita Jair Bolsonaro como o próximo presidente do Brasil representa uma crise para os direitos indígenas, a floresta amazônica e nosso clima global", disse Christian Poirier, diretor do Programa Amazon Watch.

“Um aumento nos ataques violentos contra os povos indígenas e movimentos sociais já ocorreu desde a eleição. A comunidade ambiental e de direitos humanos do Brasil não recuará diante dessa emergência, e nem nós apoiaremos a eles ”.
 
A declaração descreve como “Bolsonaro ameaçou reduzir as salvaguardas ambientais nas florestas protegidas da Amazônia, enquanto aboliu os direitos constitucionais sobre os territórios indígenas, a fim de permitir a expansão de atividades destrutivas de agronegócios, extração de madeira e mineração”.
 
Escrevendo que "o presidente eleito Bolsonaro tem frequentemente tomado posições que estão fundamentalmente em desacordo com os valores democráticos". Os assinantes da declaração detalham como Bolsonaro ameaçou não reconhecer os resultados das eleições presidenciais se ele não foi proclamado o vencedor e que ele falou favoravelmente da antiga ditadura militar do Brasil.  

Eles também notaram que ele falou em expurgar ativistas de esquerda e descreveu membros do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto e do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra como “terroristas”. Ele disse que a polícia do Brasil, já notória por matar milhares de pessoas todos os anos, deveria ter menos contenção no uso da força letal e busca uma resposta mais militarizada ao crime.
 
A declaração observa: "Dois líderes do MST foram assassinados por homens armados mascarados em 8 de dezembro" e "muitos temem que a odiosa e ameaçadora retórica de Bolsonaro esteja fazendo o Brasil - já líder mundial em assassinatos de defensores da terra e do meio ambiente - um lugar muito mais perigoso". 

Ele também detalha vários comentários misóginos, racistas e homofóbicos que Bolsonaro fez, que muitos também consideram contribuir para um clima social e político que encoraja a violência e o ódio contra as comunidades minoritárias.
 
“É importante que as pessoas nessas comunidades no Brasil, que lutaram tanto tempo por igualdade, saibam que não estão sozinhas. Vamos apoiá-los ”, comentou a Dra. Gladys Mitchell-Walthour, presidente da Associação de Estudos do Brasil. “Faremos o melhor que pudermos para apoiar acadêmicos brasileiros, ativistas e cidadãos em geral. Nós não apoiamos ações antidemocráticas de líderes e cidadãos. ”
 
“É difícil não exagerar a ameaça que Bolsonaro representa para as comunidades minoritárias no Brasil, inclusive para as comunidades indígenas já ameaçadas pelas indústrias extrativas e grileiros”, disse Jeff Conant, Gerente Sênior do Programa Internacional de Florestas da Amigos da Terra dos EUA

É grave o perigo que Bolsonaro representa para a inestimável floresta tropical e outros tesouros ambientais do Brasil, ou mesmo para o próprio planeta, já que ele parece desconsiderar a mudança climática e colocar os interesses comerciais antes de tudo ”.
 
Contato com especialistas: Jeff Conant, (510) 900-0016, jconant@foe.org Contato das comunicações: Patrick Davis, (608) 770-4800, pdavis@foe.org